Veteranos Especialistas: estamos juntos! – 02/12/2015

 

Introdução: comentário acerca da Obra Venturas, Aventuras e Desventuras de Gustavo Adolfo Franco Ferreira

            Por motivos de força maior estive afastado da Internet por uns dias. Aproveitei para colocar em dia minha leitura e uma das mais ricas foi esta Obra Monumental do não menos Tenente-Coronel Aviador Reformado Franco Ferreira.

            Numa Obra corajosa o Autor descreve trechos importantes de sua trajetória existencial, desde sua origem militar ancestral até momentos bem recentes. Leitura Obrigatória a quem almeja compreender um pouco mais sobre a Força Aérea Brasileira. Participou do processo de transferência da Escola de Aviação para Pirassununga, onde contribuiu significativamente para consolidar a instalação da Academia da Força Aérea naquela cidade, foi Instrutor de Voo, com particular ênfase ao T-6 (“a máquina que separa os homens dos meninos”) e ao T-37 (“bela garça”) com abundantes elogios e descreve corajosamente momentos marcantes de sua brilhante e rigorosa carreira militar adornada com fartos – e merecidos – elogios individuais. Ministra verdadeiras aulas de manobras em aeronaves militares e nos traz à memória ou permite conhecer, entre tantas coisas, o cotidiano numa Academia de Formação Militar e em outras Unidades da Força Aérea. Revela expressões utilizadas no âmbito dos Oficiais que – onde eu servi – são pouco conhecidas entre Suboficiais e Sargentos. Comoventes suas desventuras, descritas com o rigor que lhe é marca registrada e lindamente endoçadas por sua esposa a Sra. Sandra Bueno Franco Ferreira. Valdemar Hial conclui o Prefácio á Obra com as seguintes palavras: “A Obra-vida do Tenente-Coronel Aviador Gustavo Adolfo Franco Ferreira mostra a trajetória de um patriota cuja existência será um grande ensinamento para aqueles que tiverem o privilégio de ler suas venturas, aventuras e desventuras.” Eu assino embaixo.

 

O que conquistamos com o nosso Grupo no Facebook, ampliando com o uso do telefone fixo regular, do WhatsApp e e-mail

Fotos: Aluno 69-653 - Jose Antônio Moraes - Turma 155 - 14/07/71 - Q EA ES

Posted by Curvêlo Lázaro Chaves on Wednesday, November 18, 2015

            Em nosso Grupo somos 2.100 Especialistas da Aeronáutica de várias Turmas de todos os tempos. Já localizamos, identificamos por Turmas e colocamos em contato mais de 100 (CEM) Pioneiros – Graduados na EEAer na Ponta do Galeão e na Escola Técnica de Aviação – e Antigões – Graduados na EEAer em Guaratinguetá – com mais de meio século de Serviços Prestados à Nação Brasileira.

            Com a nossa continência aos Nossos Antigões, através da nossa Galeria de Honra, homenageamos a cada um dos Especialistas da FAB de todos os tempos. Cada um de nós porta consigo um Universo de vivências interessantíssimas e acalentadoras. Seria nosso desejo conversar pessoalmente com cada Especialista e ouvir suas histórias. Pela Internet muitos nos brindam com fotos e narrativas espetaculares permitindo-nos recompor a História da Escola de Especialistas de Aeronáutica e avançar um pouco mais a partir do ponto em que Berilo Lucena de Cavalcante chegou com a sua magnífica pesquisa.

            É assim mesmo que a Ciência avança – e a Nossa História não merece menos que ser tratada cientificamente: cada pesquisador avança num ponto específico e o acúmulo do conhecimento coletivo é juntado, com a ajuda dos amigos, retificando imprecisões e fazendo os ajustes necessários até que a Obra fique completa, “coberta e alinhada”, com tudo Justo e Perfeito. Trabalho para várias gerações de seres humanos, claro está. Com o avanço tecnológico contemporâneo e as possibilidades de contatos e troca de informações e experiências através da Internet o avanço se acelera ainda mais, na medida em que mantemos a seriedade da pesquisa, o respeito ao tema pesquisado e a cada participante da pesquisa histórica.

            Para o esclarecimento de alguns pontos ainda imprecisos ou questionáveis, necessário se faz embasar DOCUMENTALMENTE a pesquisa, o que somente será possível através de uma pesquisa aprofundada nos Arquivos da EEAR (Escola de Especialistas de Aeronáutica, em Guaratinguetá) e do INCAER (Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica, no Rio de Janeiro), pesquisa essa há tempos em nossa lista de prioridades, contudo, sem condições concretas de levá-la a cabo dadas as limitações materiais de quem assina essas linhas. Temos uma dívida de gratidão profunda para com nosso Amigo Marcos Antônio Chaves, da Turma 157, que primeiro teve a idéia genial de fazer o que Kiosuke Tomioka da Turma 143 chama apropriadamente de “dar um cobre e alinha nas Turmas” a partir do trabalho de Berilo Lucena de Cavalcante e foi a partir dali que iniciamos nosso Grupo. Com quanta satisfação nos entrevistaríamos com os Pioneiros que se dispõem a nos dar atenção e prestar informações e esclarecimentos, como o hoje Major-Brigadeiro do Ar Reformado Paulo Leal, o Zózimo Lima Filho, o Benonil Gomes de Melo e o Primo Ferreira Gonçalves. Com a Graça de Deus haveremos de conquistar os meios necessários a fazê-lo.

            A princípio, combinamos com o Marcos Antônio Chaves começarmos a pesquisa durante o último Encontro Anual de Veteranos em Guaratinguetá mas, ao lá chegarmos, percebemos que seria um tanto exagerado demandar que se deixasse o pessoal que ali trabalha tanto ao longo de todo o ano “de castigo” à nossa disposição ao término de seu expediente! Militar não recebe por horas trabalhadas, mas de acordo com seu posto ou graduação. Ademais, fomos tomados por tanta emoção e havia tanta informação a processar sem mesmo iniciar a pesquisa que nos detivemos numa visita detalhada ao nosso passado em companhia dos Amigos que ficaram na tarde do dia 3 de Julho passado devotados também a fazê-lo, particularmente o Irineu Ferreira Júnior, da minha Turma (171) e o Airton Vasconcelos da Turma 161, pessoas com quem conversamos quase cotidianamente através da Internet e pretendemos reencontrar no dia 1º de Julho de 2016.

Com Amigos no Encontro de Veteranos / 2015

Posted by Curvêlo Lázaro Chaves on Saturday, July 4, 2015

 

BRANCA 175 - Graduados a 09/07/81

 

Limitações Pessoais

"Mas eu, sendo pobre, tenho somente meus sonhos;

Espalhei meus sonhos aos seus pés;

Pisa com suavidade, você está caminhando em cima dos meus sonhos..."

W.B. Yeats (1865–1939)

 

            Muitos amigos abrem as portas de suas casas a nós e não temos condições concretas para efetuar a travessia. Não me queixo da vida a que fui empurrado por força de circunstâncias alheias a meu controle (ficar reduzido a sobreviver com o salário de 2º Sargento Reformado E SÓ) que os dezesseis anos vividos neste nível me conduziram a pacificar-me e abraçar de bom-grado como se fora decisão ou escolha pessoal: EU ESCOLHI VIVER ASSIM. Quando tive oportunidade de optar por viver de maneira diferente teria de abandonar o doce encargo familiar de acompanhar minha mãezinha em seus derradeiros passos neste planeta e eu me recuso terminantemente a arremessá-la num desses “depósitos de velhos” com nomes tão suaves quanto o é a sua frieza humana: “Casa de Repouso...” DE JEITO NENHUM! Ela não me colocou em creche ou colégio interno quando eu era criança e precisava de cuidados constantes, por que motivos perpetraria algo equivalente a ela que cuidou tão bem de mim quando as posições estavam trocadas?

            Somente declino o nível material precário em que vivo exclusivamente para que meus Amigos não fiquem magoados comigo: se não posso aceitar um convite a uma celebração, festa ou mesmo atravessar em busca de informações para a pesquisa, seja documental, seja testemunhal, tal não se deve a qualquer desatenção ou desinteresse, MUITO PELO CONTRÁRIO! Não tenho condições e é só isso o que me contem.

 

PIONEIROS e ANTIGÕES REVERENCIADOS POR TODOS OS VETERANOS DA FAB POR UMA VIDA DE SERVIÇOS PRESTADOS À NAÇÃO...

Posted by Curvêlo Lázaro Chaves on Friday, December 4, 2015

Buscando Soluções

            Um de meus orientadores em Ciência Política na Federal Fluminense e na PUC do Rio de Janeiro, Gisálio Cerqueira Filho teve uma percepção genial acerca dos problemas decorrentes do famoso “Jeitinho Brasileiro”: resumindo de maneira bem simples uma complexa tese de doutoramento, “acertar as coisas” ou “dar um jeitinho” para consertar a situação existencial deste ou daquele cidadão, jeitinho impregnado de boas intenções – daquelas boas intenções que pavimentam todas as Estradas do Inferno – é uma das formas mais maquiavélicas para a manutenção da situação caótica que vive um povo inteiro.

            Sou só eu? Cadê os outros? A MAIORIA do povo brasileiro vive em situação material deplorável e no meio militar as exceções confirmam a regra. Há que se batalhar, intimoratamente, pela melhora nas condições existenciais DE TODOS. “O que fazer” parece bem claro: enquanto os banqueiros e mercadores determinarem todos os rumos da Economia Nacional não se reverterá o quadro monstruoso do país com a maior concentração de renda de todo o Continente Americano. Aqui no Brasil há algumas das maiores fortunas do planeta Terra lado a lado aos bolsões de miséria mais gritantes, com um entremeio dia a dia mais precarizado. Some-se a isso uma cultura consumista que força a todos a se visualizarem no topo da pirâmide social e se esquecerem de que as vagas ali já têm dono e estão ocupadas. A redução nos níveis educacionais da população leva a uma situação tão irracional que a Rapacidade, a Rapina ao precário bem-estar que o próximo conquistou a duras penas coloca nosso país ao lado das áreas mais conflagradas do planeta (Oriente Médio, África Subsaariana...) em termos de violência contra a pessoa.

            Nada aqui está se dizendo contra a atividade mercantil – isso seria comunismo no sentido clássico do termo – apenas que os mercadores devem reconhecer o seu lugar no esquema cósmico das coisas e a eles não cabe o Comando Supremo de todo o Ordenamento Social. Ouça o noticiário, a qualquer momento: “os mercados” reagiram desta ou daquela maneira às medidas tomadas por tais e quais políticos. Quem então puxa as cordas dos marionetes políticos: “os mercados”. Esse tipo de “ordenamento” social está de ponta-cabeça e aí está a raiz de todos os males: a corrupção, a derrota da política, que se transfere para meras discussões policiais (quem-roubou-o-que-de-quem-e-que-provas-se-pode-produzir e por aí vai).

            Acima de tudo, é preciso manter o Norte, o comportamento Ético irreprochável na prática, banindo-se aquela antiga “ética por decreto”, aquela que proferia irracionalismos como “fala que sou ético senão te esfolo vivo e jogo sua carne aos chacais!” – ou, em sua forma aparentemente mais branda – “alie-se a mim proclamando virtudes que não tenho senão te condeno, sem julgamento, ao confinamento a um local remoto onde ninguém deseje ouvir o que você tem a dizer, professor”.

Sun Tzu disse: o general sábio escolhe o campo de batalha

            Nas palavras do meu querido Amigo Marco Antônio Villa, vivemos hoje num “País Partido”. De um lado, temos mentiras, gangsterismo, insultos, difamações, calúnias e adjetivações pejorativas. Do outro temos gente que ainda se recorda – E PRATICA – a excelência de valores como “Verdade”, “Justiça”, “Honra”, “Decência”, “Seriedade”, “Sinceridade”, “Cavalheirismo”, “Generosidade”...

            Nós, Especialistas, fomos educados de acordo com o segundo conjunto de parâmetros e este é o nosso campo. Nossos detratores já nos aviltam salarialmente. Cada vez que permitimos que nos aviltem moralmente a ponto de descer àquele nível perdemos duas vezes – até por isso a vitória está demorando tanto, embora haja uma luz ao final do túnel – a segunda é que naquele nível rasteiro nossos detratores transitam com maior desenvoltura e desembaraço: nós não fomos educados para mentir, insultar ou difamar. Somos formados na Escola do Cavalheirismo, da Disciplina, do Amor e da Coragem. Que nossos detratores venham nos encontrar no NOSSO CAMPO. Só assim poderemos manter a Esperança da Vitória. Que Deus abençoe a cada um de nós.

Com meus mais respeitosos cumprimentos a todos os Especialistas da Força Aérea Brasileira, neste momento em particular aos Administradores do Grupo dos Veteranos Especialistas no Facebook que mais tempo têm devotado ao Grupo, Valter SANCHES - Turma 147, Jorge TOSTA - Turma 159 e Sergio BARACHO - Turma – 160

Aluno 77-1183 - Lázaro CURVÊLO Chaves - Turma 171 - Branca - 13/07/79 - Q AT RA MR (Eletrônica)

               

 

Um reencontro feliz em meio à maior crise política da história - 10/03/2015
 

 
 

(*) Em o Colega desejando conhecer um bocadinho da história de quem assina estas notas, clique aqui

 
(**) Já registramos o Estatuto da ASTRA - Associação dos Ex-Alunos Especialistas da Força Aérea Brasileira. Clique aqui para conhecer.
 
 
Encarregado Técnico: Lázaro Curvêlo Chaves Contato: https://www.facebook.com/lazaro.chaves